Segunda, 17 de fevereiro de 2020
47 99609-9282
Cidades

10/06/2019 ás 17h50

AdminX

Itapema / SC

Marujo de Itajaí é condenado por falsificar carteira de habilitação
Marujo de Itajaí falsifica carteira de habilitação mas acaba condenado pelo TJ
Marujo de Itajaí é condenado por falsificar carteira de habilitação

Na manhã de 11 de dezembro de 2015, um marujo foi até a Coordenadoria de Trânsito de Itajaí para registrar um boletim de ocorrência. Ele sofrera um acidente de carro e pretendia receber o seguro DPVAT. A funcionária que o atendeu pediu um documento de identificação.


 


- Está aqui - ele disse, e entregou a Carteira Nacional de Habilitação.


A funcionária consultou no sistema os dados contidos no documento e, conforme os autos, percebeu a fraude: o número de CPF escrito na CNH era de outra pessoa. E não havia nenhuma habilitação registrada com aquele número. Ao ser questionado, o homem confessou ter comprado o documento de um desconhecido, num bar, por R$ 2 mil. A polícia militar foi acionada e o falsário, preso em flagrante.


Em 1º grau, o juiz Guilherme Mazzucco condenou o réu à pena de dois anos de reclusão, substituída por serviços comunitários. O marujo, enquadrado em dois crimes - falsificar e usar esses documentos -, recorreu com um argumento inusitado: a falsificação era tão grosseira e tão rudimentar que tornava atípica a conduta que lhe foi imputada. Subsidiariamente, postulou a diminuição da pena por causa da confissão espontânea.


Entretanto, de acordo com os autos, a CNH falsa tinha todos os elementos visuais de uma verdadeira. Os peritos submeteram a carteira ao exame de estereoscopia e iluminação especial (incidente, emergente e ultravioleta), e só assim aferiram divergências entre o documento periciado e o documento padrão.


"Portanto, não se pode falar em falsidade grosseira", pontuou a relatora da apelação criminal, desembargadora Hildemar Meneguzzi de Carvalho, "uma vez que, ao contrário do aduzido pela defesa, o caráter fraudulento do documento não foi percebido ictu oculi". A fraude, concluiu a magistrada, só foi descoberta por causa do número do CPF. 



Com isso, a 1ª Câmara Criminal do TJSC, por unanimidade, manteve intacta a decisão de 1º grau. Além da relatora, participaram do julgamento os desembargadores Carlos Alberto Civinski e Ariovaldo Rogério Ribeiro da Silva. A sessão ocorreu no dia 30 de maio.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados